sábado, março 08, 2008

Cá dentro


Olhou... com o seu olhar calmo e doce. As palavras saíram suavemente e por dentro eu chorei.


Brincava a criança

Brincava a criança
Com um carro de bois.
Sentiu-se brincado
E disse, eu sou dois!
Há um brincar
E há outro a saber,
Um vê-me a brincar
E outro vê-me a ver.

Estou atrás de mim
E se volto a cabeça
Não era o que eu qu'ria
A volta só é essa...

O outro menino
Não tem pés nem mãos
Nem é pequenino
Não tem mãe ou irmãos.

E havia comigo
Por trás de onde eu estou,
Mas se volto a cabeça
Já não sei o que sou.

E o tal que eu cá tenho
E sente comigo,
Nem pai, nem padrinho,
Nem corpo ou amigo,
Tem alma cá dentro
Está a ver-me sem ver,
E o carro de bois
Começa a parecer.

Fernando Pessoa - Poesias Inéditas




Ligação a Cá dentro em http://www.simemusica.blogspot.com/

4 comentários:

SS disse...

Bonito poema! Beijinho grande!

Carraça disse...

Não conhecia esta poema do Fernando Pessoa. Vou registar no meu caderninho!

Bom fds
Bjs

as velas ardem ate ao fim disse...

Os génios não se comenta, e Pessoa é um deles.

bjo Lidia

marta saldanha aldim disse...

tenho saudades tuas