terça-feira, fevereiro 09, 2010

Carta para ti, Sara


Crescemos juntas. Os nossos pais eram - são! - grandes amigos. Quando abri a cabeça lá estava o meu e o teu pai à minha espera com um ar muito preocupado :)
Tenho bem presente na minha memória os dias de Natal... a troca de prendas - um ano na minha casa outro ano na tua. Depois... depois crescemos... mudaste de casa... mudaste novamente de casa... mudaste outra vez de casa... começámos a encontrar-nos apenas em momentos de festa, casamentos, funerais.
Assisti orgulhosamente ao teu casamento. Emocionada. Estava sozinha, lembras-te?
A vida não começou a sorrir-te e assisti de longe... como tu assististe de longe às minhas aventuras. Longe dos olhos mas bem perto do coração, acredita.
Nasceu a tua filhota há dois dias. Não te vi grávida... Sinto-me mal por isso. Mais uma vez assisti, longe, não participei.
Gosto de ti.
Não sabes que escrevo aqui... talvez um dia o saibas e possas ler.



3 comentários:

Uma boa parte de mim disse...

Há coisas que não precisam de se ler, em palavras. :)

Boop disse...

Quando se gosta assim, de alguma forma mágica... sabe-se!
Fazem parte da história uma da outra, e isso é de uma riquesa imensa!
(e é deste gostar que falo, ambivalente, distante, mas tão enraizado em nós - há relaçoes que não se devem idealizar, não é preciso, valem o que valem! E isso já é tanto!)

mixtu disse...

um dia vai ser lido
lindo tributo, amiga

abrazo serrano