terça-feira, março 20, 2007

A minha profissão


Na profissão de professora, a sucessão de acontecimentos é tal que a eficácia depende de um grande número de esquemas de acção que vamos automatizando e que são fundamentais para a nossa economia de esforços. Mas se esses esquemas não forem continuamente observados e regulados, nem que seja à posteriori, de modo a estarem ao serviço de objectivos e estratégias bem definidas na nossa cabeça, podemos entrar num processo de desumanização da relação. Tudo isto porque toda a nossa acção passa por uma complexa teia de relações, as quais tentamos que sejam controladas pela racionalidade mas elas interferem fundamentalmente com as nossas emoções.
É uma profissão em que estamos muito expostos a nós mesmos, sem possibilidade de fugir do que somos, porque estamos permanentemente a ser solicitados e a ter de tomar decisões.

1 comentário:

Ines disse...

Era muito interessante os professores poderem ter supervisão. (como os psis têm... ou deviam ter!)
Afinal acabam por estar muito sozinhos entre 4 paredes e se quiserem ninguém tem acesso real aquilo que fazem. Se quiserem não discutem o trabalho com ninguém, ou não é?
Acho isso perigoso, é muito fácil cair num erro e repeti-lo, muitas vezes sem consciência.